quinta-feira, 20 de setembro de 2007

omnilíngues

omnilíngues, dizem as más línguas, costumam habitar excelentes lugares bonitos.
vestidos são todos nus. ora, direis, mas verifica-se a observação de que, suas palavras confusas, para um ouvido sem o tradutor necessário, acabam por ganchear, como que feito por um punho esquerdo ao queixo, toda a intervenção visual.

omnilíngues, certa vez pude ver. não foi bem um gancho. senti um grito pré-histórico.
omnilíngues, segundo o dicionário da lucidez é pueril.
Porém, digo em maiúscula, há, segundo estudos comprovados, uma necessidade interna - de todo o ser vivente - em alimentar-se de alma. Uns se alimentam tanto, que deixam delgado o ser roubado. "Tal como câncer", diz a enciclopédia. Outros se alimentam tanto quanto, conseguem, em um processo hiper-instantâneo, alimentar você em dobro do que liberaste, entretanto.

Nesse último caso, vale a ressalva, o contato não se dá por meio de botões ou cliques. Não há como desviar essa afirmação por exploração de erros em HTML e PHP. Confira abaixo os ingredientes necessários para o experimento:

- 43 (quarenta e três; ; 1+42) amigos.
- passaporte.

3 comentários:

schineider disse...

eu so acredito que vc escreveu onilingues *pt do br* no papel do caderno pq vi.

Fany disse...

Sr. Ipslong. Achei pelo orkut.
ôôôa! =D Tive que olhar o aurélio somente para saber sobre omnilingue. Posso virar assídua daqui? ótimo tudo isso.

jussara disse...

=uri, foi na Farsa do Verde? Adorei o logo do blog. Adoro o cd do Beto Vilares! E, sim, você ainda está em ótima fase na escrita.