sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Melito

Morreu gorda, fisicamente gorda.
Não criou gatos, ninguém lambeu suas fases antes da putefração. Só uma trilha de formigas percorria o corpo. Depois de uma semana o cheiro incomodou os vizinhos. Recolheram tudo, mas a cena deprimente ficou intocada no apartamento.








Morreu gorda, psicologicamente gorda.
Inventou muito doce na vida, viu um bocado de ternuras melequentas onde não havia, passou os dias recortando pessoas de revistas e de relances cotidianos. Só restou da sua vivência besta a marca de suor no sofá, após o cadáver ter despencado no chão.

5 comentários:

Flávio A disse...

um signo perfeito da diabetes

pit disse...

"ninguém lambeu suas fases antes da putefração."

seria uma figura de linguagem ou um escorregão linguístico?

(tô aqui sofrendo horrores por não ter mais de usar trema - ha ha ha)

yuri disse...

Putinha fração.

AnaRita disse...

tudo tinha sido um deslize de digitação, mas vou aderir ao conceito do Yuri e deixar como está.
Peirce reclamaria, Flávio?

Morganna disse...

que trágico. ou não.