domingo, 15 de junho de 2008

Peq.

a manhã ainda nem te arranha
você tira os óculos -
a sua voz no meu peito
fala sobre o sempre.

o amanhã nem te arranha
você põe os óculos
e ri pra mim dezenas de frases
que deveriam ser ditas
sem você estar com eles.


9 comentários:

Flávio A disse...

*tentando sacar o final*
humm. seria legal se na segunda estrofe fosse "aranha" em vez de "arranha", hahahahahaha
aiai

yuri disse...

haha.
eu ia me achar um caetano veloso.
haha. =D

marianna disse...

Esta dualidade do final achei ótima.

AnaRita disse...

Gostei do título não sei se era a intenção, mas essa ambigüidade entre peque e pequeno me intrigou.

gostei do resto quase caetano e muito sutil. Bom te ver por aqui de volta.

yuri disse...

Obrigado, aninha, quanto ao comentário da sutileza. E o título tá dentro do que você falou também.

anônima disse...

existe relação dos óculos com seu affair?

Lara disse...

existem coisas que não podem ser ditas de óculos, concordo...
muito bonito, gostei da leveza.

=*

yuri disse...

Essa coisa de Anônima só pode ser da pitie. Mas como o veneno foi de alto grau íntimo, duvido também. Enfim, o 'affair' não carece de exposição por aqui.

pit disse...

tooooda vez que corinthians perde a culpa é minha.


eu nem tava aqui quando esse anônimo apareceu.

gostei do texto sim, filho.
com ou sem affair.