sexta-feira, 25 de julho de 2008

Soninho

Você me pediu para ir a alto-mar ver o que se passava
Havia apenas um bar e uma onda gigante me tomou de repente
Tem certeza de que o beijo será na cozinha?
Veja, não há pressa, termine suas torradas

Esses edifícios são escuros, isso não te dá medo?
Não existe medo maior do que a solidão
Eles se tocam pouco e falam quase nada
Alguém não se acostumou à mania dos tempos

O que quer dizer ir embora de manhã?
Penso ser isso coisa que não se faz
Normalmente, ninguém pensa nada

Pipoca velha na mesa, televisão ligada
Cabeça despenteada que não entende o limite da crueldade
Acorda e vê que o agir não existiu
A única certeza: o almoço está pronto

6 comentários:

yuri disse...

Ah, Larinha, você arrebenta nessa de bukowski. Mesmo.

yuri disse...

Eu só vou repetir alguns elogios porque eu, confesso, me deslumbrei com a lara dançando no centenário. eu tenho certeza que você fica bem numa pista de dança.

Lara disse...

yuriiii, no comments about that, please! hoaeiuhaeh. o que um pouco de vodka e beatles não faz com a gente, hãm? ;p

Nana Jiló disse...

o cotidiano misturado com uma colherada sentimentos confusos só podia dar em poesia!

pit disse...

e que nunca falte vodka ou beatles na vida da lara!

gostei do texto.
me ensina a ser um pouco mais bukowski?


a idéia dos cursos é muito boa, me matricularia fácil1

AnaRita disse...

e que nunca falte vodka ou beatles na vida da lara! (2)

É o almoço está pronto...